Mafalda Minnozzi Mafalda Minnozzi
Menu

Discography

SENSORIAL – Portraits in Bossa & Jazz

Release Date: 01/10/2020
Disponível para compra em:
Loading tracks...

MPI 2020

Mafalda Minnozzi voa entre improvisação de jazz, espírito romântico e essência original da Bossa em “Sensorial – Retratos em Bossa e Jazz”

Confirmando sua fama de artista internacional, a cantora e compositora Mafalda Minnozzi tem o orgulho de anunciar o lançamento do seu novo álbum “Sensorial – Portraits in Bossa & Jazz”, distribuído simultaneamente em todas as plataformas digitais do mundo.

Com a direção musical do guitarrista Paul Ricci e a participação de alguns dos mais competentes músicos americanos, como o pianista Art Hirahara, os contrabaixistas Essiet
Okon Essiet
e Harvie S, o baterista Victor Jones e os percussionistas Will Calhoun e Rogerio Boccato, o disco reinterpreta e reinventa o songbook brasileiro, inserindo a dinâmica metropolitana do som de Nova York em uma mistura imaginativa de bossa e jazz.

Inspirado no esteticismo musical de Gil Evans, João Gilberto e Roberto Murolo, Sensorial destaca a técnica inconfundível e a alma artística de Mafalda Minnozzi, graças também aos arranjos originais que revelam emoções intensas, as mesmas que sempre caracterizaram a carreira “multicultural” da artista, consolidada na Itália, em Nova York, no Brasil e em vários países da América do Sul.
Imagens captadas durante a gravação no estúdio, revelam o envolvente espírito “ao vivo” de Mafalda, mostrando a energia espontânea que explode em seus shows, o cartão de visita nos palcos ao redor do mundo.

No repertório, a artista destaca alguns compositores brasileiros menos conhecidos no mundo do jazz, além de prestar homenagem a Antônio Carlos Jobim, que permeia todo o álbum com sete composições, incluindo algumas das mais conhecidas como Dindi, Desafinado e Triste. Sua influência também é sentida nas outras seis músicas, tanto nos arranjos quanto no “swing”, quando referem a sua parceria com João Gilberto. Vale lembrar que o diretor musical Paul Ricci foi arranjador em obras de Astrud e Bebel Gilberto – esposa e filha de João, respectivamente.

A introdução de “A Felicidade” de Jobim, que abre o álbum, revela imediatamente que Sensorial não é um projeto tipicamente dedicado à Bossa nova; na verdade, com a espontaneidade e a coesão de um quinteto de jazz, os músicos da banda energizam o andamento, e a voz de Mafalda brilha como um instrumento de sopro.
Outra música que se destaca no álbum é “Vivo Sonhando”, clássico de Jobim que recebe uma interpretação moderna inspirada pelo título e pelo significado do texto. O ritmo hipnótico de Victor Jones e a sonoridade da guitarra de Ricci no fundo, deixam a cantora Mafalda Minnozzi e o pianista Art Hirahara livres para improvisar dentro de uma melodia atemporal com tons jazzísticos.
No majestoso “Morro Dois Irmãos” de Chico Buarque, a poesia do autor é aprimorada pelos músicos da banda que conseguem criar algo de místico e infundem jazz em uma composição que raramente saiu das fronteiras brasileiras. O arranjo aproveita ao máximo o talento de Mafalda até as notas que simulam um voo libertador no final da música.
Após ter tocado como convidado especial em “Samba da Benção” e ter ouvido a versão final, o percussionista Will Calhoun comentou: “essa gravação é mágica”. Realmente a composição de Baden Powell é uma das faixas que representa melhor o espírito do álbum. A música é proposta em uma perspectiva diferente e a visão pessoal de Mafalda surpreende e agrada quem conhece ou acha que conhece a versão original. Seguindo o pulso incrível de influência africana proporcionado pelo tambor “udu” de Calhoun, Mafalda abandona-se em uma dança musical com o pianista Art Hirahara, que seduz o ouvinte.
“Once I Loved” é uma das duas canções do álbum cantadas em inglês. A voz de Mafalda capta a fragilidade e a inocência do texto, e com os músicos cria uma versão pessoal e introspectiva. A abordagem descolada de Essiet Okon Essiet no baixo e o “tamborim” de Rogerio Boccato alimentam os solos melódicos de Art Hirahara e Paul Ricci. No final da música crescem a intensidade e a presença do baterista Victor Jones acompanhando a energia das frases de Mafalda até o silêncio.
O clima do álbum muda com uma das obras mais famosas de Jobim, “Chega de Saudade”. A releitura de Mafalda resolve a dúvida se trata-se de uma música triste ou feliz. Embora o tema seja a saudade de ficar ao lado da pessoa amada, a alegre interpretação da cantora garante que a história terá um final feliz. Harvie S toca um solo magistral, enquanto a interação entre os músicos cria um suspense que estimula o canto “scat” de Mafalda, absolutamente criativo, melódico e percussivo.
“Sensorial – Retratos em Bossa e Jazz” também explora o som mais visceral do samba, tanto na reinterpretação estilo “Blue Note” de “Mocidade” de Toninho Horta quanto na extraordinária “Jogral”, mais conhecida na versão com o texto de Djavan. Nesse caso, a melodia de Filó Machado e José Neto, semelhante a uma “montanha-russa”, desliza em direção ao samba graças à excelência e a sabedoria de Rogério Boccato.
A lista dos autores brasileiros interpretados por Mafalda é completada com a versão italiana de “Un Altro Addio”, de Toquinho / Vinicius de Moraes e com “É Preciso Perdoar” de Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo, introduzida por um trecho de “Lonnie’s Lament” de John Coltrane, em um entrelaçamento aparentemente possível entre espírito jazzístico e cores afro-brasileiras.

Para Mafalda “As músicas escolhidas refletem perfeitamente o fluxo de sensações que a música brasileira cria em mim, algo físico e espiritual que vai além do canto … é como uma dança vocal que realmente envolve todos os sentidos e talvez os cinco sentidos conhecidos não são suficientes para expressar sua energia. Tenho certeza de que nos panoramas, nos animais e nas frutas, nas cores e cheiros do Brasil, há uma essência comum que encontro em mim e nessas imensas canções. Encarar sem preconceitos os autores que as compuseram e fazê-lo com a ajuda de grandes músicos foi um ato de verdadeira liberdade … Quando fechei os olhos para cantar no estúdio, revi toda a história da minha vida, que a dediquei para conhecer e integrar culturas”.

Repertório do CD

  1. A FELICIDADE [Antonio Carlos Jobim/Vinicius De Moraes] (interlude CONSOLAÇÃO – Baden Powell/Vinicius De Moraes)
  2. VIVO SONHANDO [Antonio Carlos Jobim]
  3. MORRO DOIS IRMÃOS [Cnico Buarque de Hollanda]
  4. É PRECISO PERDOAR [Alcyvando Luz/C arlos Coqueijo] (intro LONNIE’S LAMENT – John Coltrane)
  5. DESAFINADO [Antonio Carlos Jobim/Newton Mendonça]
  6. MOCIDADE [Toninho Horta]
  7. SAMBA DA BENÇÃO [Baden Powell/Vinicius De Moraes]
  8. ONCE I LOVED (O AMOR EM PAZ) [Antonio Carlos Jobim/Vinicius De Moraes vs. Ray Gilbert]
  9. TRISTE [Antonio Carlos Jobim]
  10. CHEGA DE SAUDADE [Antonio Carlos Jobim/Vinicius De Moraes]
  11. JOGRAL [Djavan/José Neto/Filó Machado]
  12. UN ALTRO ADDIO (MAIS UM ADEUS) [Toquinho/Vinicius De Moraes vs. Sergio Bardotti)]
  13. DINDI [Antonio Carlos Jobim]